6 de fev de 2013

[Eat Falafel] Assuão e a Elephantine Island

 [English version below]



A segunda classe no chamado trem espanhol é um luxo comparado com muita coisa que já vi nessa vida. As cadeiras reclinam, o espaço é razoável, dá pra dormir legal. As vezes alguém abre um sanduba de queijo qualquer que empesteia tudo, ou acende um cigarro entre os vagões e o cheiro entra pela porta, ou o banheiro não está dos melhores. Mas é barato e isso que importa.
Foram 16 horas de viagem com direito àqueles nascer do sol todo lindo que o Egito sabe oferecer muito bem. Meio sem saber onde exatamente iríamos descer, ficamos a observar desde a manhã todo o caminho e estações. Por fim chegamos à Assuão. Sem lugar para ficar, tínhamos o contato de um couchsurfer mas como não conseguimos falar com ele quando chegamos, decidimos ir comer para pensar no que fazer.
Foi aí que encontramos um restaurante de comida egípcia com preço justíssimo, onde com 15LE comemos os 3 até ficarmos bem satisfeitos.
Eu tinha o endereço de um lugar que achei no hostelworld.com, Yassen Hotel. Um hotelzinho bem perto da estação. Simples, mas confortável. O pessoal era bem solícito e o quarto para três saiu por apenas 60LE, 20 cada. Com internet e café da manhã – simples, mas estava incluído.
O primeiro dia foi de descanso, para acordarmos e darmos uma volta na cidade. No dia seguinte pegamos um barco para atravessarmos o Nilo até um lugar chamado Elephantine Island. É uma das ilhas entre um lado e o outro de Assuão. Esse lugar é tradicional da comunidade Núbia.
Eles vão tentar te cobrar mais, mas os locais pagam pelo transporte público apenas 25 ou 50 piastras. Deixamos sobre uma mesa dentro do barco 1LE por cada um e saímos sem olhar pra trás. Quando o cara perguntou pela grana, o Ilídio apontou para a mesa. Outro detalhe é que quando eu e a Jess fomos sentar perto do Ilídio de um lado do barco, um local nos indicou para sentar do outro lado. Ou seja: existe a segregação dos sexos  no transporte também.
Chegando do outro lado não tínhamos roteiro, caminhamos pela vila, pulamos amarelinha com as crianças. Chegamos à um café com um senhor muito simpático que sabia tudo de todas as copas do mundo – o assunto quando disse que era brasileira.
Do café era possível ver o outro lado de Assuão e resolvemos atravessar para caminharmos de uma mesquita até umas ruinas. Eram uns 2Km, talvez menos, mas no deserto, na areia. Atravessamos de barco, negociamos o valor 20LE por nos três com um local – que queria cobrar 50 no começo.
Caminhamos muito até o sol se por. Muito bonito. Chegamos nas ruinas, tiramos umas fotos e o segurança queria nos cobrar 10LE por isso. Obviamente não pagamos e fomos para o barco. Mais uma vez tentaram nos cobrar muito mais, negociamos por 5LE os três e voltamos para a região da estação de trem.
Dormimos para acordar em algumas horas e partir para os templos de Abu Simbel – uma obra prima da humanidade.

Aconteceu em 01/2013

 [English version]

[Eat Falafel ] Aswan and Elephantine Island

The second class on the called Spanish Train is fancy compared to many things I've seen in this life. The chairs recline, space is reasonable, you can sleep easily. Sometimes someone opens a sandwich any cheese that smells the entire environment, or lights a cigarette between the cars and the smell comes through the door, and the bathroom is not the best. But it's cheap and that's what matters.
There were 16 hours of travel with a beautiful sunrise every on a way only Egypt can do for you. Without knowing exactly where we were going down, we were watching station by station passing through the window during all morning. Finally we arrived at Aswan. No place to stay, but with a couchsurfer contact, as we could not talk to him when we arrived, we decided to go eat to think what to do.
That's when we found a restaurant with Egyptian food and good price, where the 3 of us could eat paying only 15LE – 5 each.
I had the address of a place I found in hostelworld.com, Yassen Hotel. A little hotel right near the station. Simple but comfortable. The staff was very attentive and the room for three was only 60LE, 20 each. With internet and breakfast – simple, but was included.
The first day was for rest, to wake up and go around the town. The next day we took a boat to cross the Nile to a place called Elephantine Island. It is one of the islands between one side and the other of Aswan. This place is where the traditional Nubian community lives.
They will try to charge you more, but locals pay for public transport only 25 or 50 piastres. We left on a table inside the boat 1LE for each and left without looking back. When the guy asked for the money, Ilídio pointed to the table. Another detail: when Jess and I were sitting near the Ilídio one side of the boat, they showed us a place to sit on the other side. I.e.: there is segregation of the genders on the boat too.
Reaching the other side we had no plan, so we walked through the village, jump hopscotch with the kids. We arrived at a cafe with a very friendly gentleman who knew all of all World Cups – the subject started when I said I’m Brazilian.
From the cafe we could see the other side of Aswan and decided to walk through the desert from a mosque until some ruins. It was 2Km, maybe less, but in the desert sand. We crossed by boat, dealing the value of 20LE for 3 with a local - they wanted to charge 50 in the beginning.
We walked a lot until the sun goes down: very beautiful. We arrived in the ruins; took some pictures and a guy wanted to charge us 10LE saying he was the security. Obviously we did not pay and went to the boat. Again they tried to charge us more, we negotiated by the three 5LE and returned to the region of the train station.
We slept for a few hours to go to the temples of Abu Simbel - a masterpiece of humanity.

Happened in 01/2013