14 de fev de 2013

[Eat Falafel] Oooooooooooi Luxor!

[English version below]

Mais uma viagem de trem, cerca de 5 horas, e estávamos em Luxor. Chegamos com um lugar em mente para ficar chamado Oasis Hotel, indicação do dono do hotel em Assuão. Era bem barato, com um café da manhã muito bom. Localizado perto da estação de trem, internet e tudo limpinho.
No dia seguinte fomos caminhar e vimos o Templo de Luxor. Ele grande e fica no meio da cidade mesmo, de frente pro Nilo. Decidimos não entrar, pois é possível ver praticamente tudo de fora. É muito bonito, mas percebemos que está meio abandonado. As pessoas jogam MUITO lixo na rua, não existe essa consciência – e nem me venha com essa de no Brasil também porque lá é infinitamente pior – inclusive em parte do terreno dos templos. Ficamos meio tristes.
Passeamos pelo mercado local e percebemos bastante assédio ao turista, muito mais de todos os lugares que conhecemos no Egito. Chega a ser chato, ainda mais em tempos em que o turismo está em baixa. Sempre que alguém vinha com um preço de algo bizarro, a gente dizia em árabe “sou egípcio”. Do gênero: você não me engana.
Na noite decidimos atravessar o Nilo para encontrar com um Couchsurfer. Luxor é dividida em Margem Leste e Oeste. Estávamos hospedados na Leste, que é a parte mais centro. Atravessamos para a Oeste e perguntamos onde tinha comida boa e num preço justo. Ele nos ajudou, era uma pessoa muito da gente boa, e comemos então a melhor galinha de todos os tempos.
No dia seguinte a ideia era alugar bicicletas para dar uma volta, o que é muito comum. Acabamos chegando muito tarde no lado Oeste e não ia valer a pena. Decidimos almoçar e caminhar por lá. Paramos no mesmo lugar que no dia anterior para comer mas o cara queria cobrar mais: não estávamos com um egípcio. Um telefonema depois, pagamos o justo e fomos.
Caminhamos por uma linda estrada, e apesar de não termos ido tão longe, é a mesma que vai até o Vale dos Reis. Ao retornarmos a Jess pegou carona na moto do amigo couchsurfers e eu e Ilídio tivemos a oportunidade de conhecer uma casa de um Egípcio para um chá. Nessa casa conhecemos um cara, que no dia seguinte com todo o seu bom coração iria nos mostrar toda região, em troca... da nossa amizade! <3

Aconteceu em 01/2013

[English version]

[Eat Falafel] Hiiiiiiii Luxor!

Another train trip, about 5 hours, and we were in Luxor. We had an idea to stay in a place called Oasis Hotel, indicated by the owner of the hotel in Aswan. It was quite cheap, with a very good breakfast. Located near the train station, with internet access and everything was clean.
The next day we were walking and we saw the Temple of Luxor. It’s big and in the middle of the city, in front of the Nile. We decided not to go into because you can see almost everything from the street. It is very beautiful, but we realize that it’s kind of abandoned. People throw A LOT of trash in the street, this awareness does not exist - infinitely worse than Brazil - including inside the land of the temples. We were sad about it.
We walked through the market place and realized a heavy harassment to tourists, much more than all places we know in Egypt. Enough to be annoying, especially in times when tourism is down. Whenever someone came with a bizarre price for something, we say in Arabic "I am Egyptian." In other words: you do not fool me.
At night we decided to cross the Nile to meet a couchsurfer. Luxor is divided into East and West Bank. We were staying in the East, which is the most central. We crossed to the west and asked where we could have good food and a fair price. He helped us, a very nice guy, good heart. He took us to eat the best chicken ever.
The next day the idea was to rent bikes to go around, which is very common in the area. Arriving very late on the west side, it didn’t worth. We decided to have lunch and walk around. We stopped at the same place as the day before to eat but the guy wanted to charge more: we were not an Egyptian. A phone call later, we payed the fair price.
We walked through a beautiful road, and although we have not gone so far, is the same road that goes to the Valley of the Kings. As we return, Jess picked up on the couchsurfer's bike and Ilídio and I had the opportunity to visit a house of an Egyptian to have a tee. In this house we met a man, who in the next day with all his good heart would show us the whole region, waiting back... our friendship!

Happened in 01/2013