17 de jan de 2018

Hungria, dia 450 – O maior boneco de neve do mundo (das formigas anãs)

A gente se conheceu logo quando eu cheguei na Hungria, lá pelo dia 30, ou menos que isso. Demorou um tempão para a amizade surgir, mais pela falta de oportunidade, mas o universo traz sempre o melhor. Não é de surpreender saber que foi na fila para pegar café grátis na cafeteria nova da empresa que a gente se reencontrou. Falou grátis, a gente está lá! Descobri que ele já trabalhava ali havia quase 2 anos e eu estava no meu segundo mês. A amizade de cafezinho acabou crescendo e quase todos os dias a gente ia almoçar junto e todas as festas e cuidar um do outro passou a ser parte da rotina.

O problema – ou a parte boa – é que a partir daí a gente começou também a comprar as ideias absurdas que surgiam na nossa cabeça criativa. 
No meu dia 450 na Hungria, saímos de festa e nos esbarramos em uma balada e seguimos no final da noitada para a tal after party na casa dos nossos amigos. Eu, obviamente, dormi em certo momento porque minha bateria já tinha acabado. Eventualmente, ele me acordou para irmos embora. Era já hora do almoço e a ideia era realmente cada um ir cada um para sua casa descansar, mas já na rua a pergunta foi: “Vamos para a Praça dos Heróis? ”

Ok, Praça dos Heróis: um dos pontos turísticos mais famosos de Budapeste, fica um pouco mais afastado do centro. Um monumento com zero coisas para fazer depois de uma noitada.

E adivinha minha resposta? “Vamos! ”
E lá fomos nós! Em um dia de neve, pega transporte, pula na poça de neve semi derretida, cai no chão. Quando chegamos lá, cantamos na praça, gravamos uns vídeos para o acervo da vida e seguimos para o Parque da Cidade, que fica logo atrás. Estava todo coberto de neve e ele me convidou para fazer o primeiro boneco de neve da minha vida. Foi um sucesso, pela minha memória deveria ter uns 15 centímetros ou menos e foi apelidado carinhosamente de snowmanzinho <3
O inverno de 2017 foi considerado o mais frio na Hungria de décadas. Enfrentamos -20 graus e um mês de janeiro difícil de acordar para ir trabalhar. O rio Danúbio congelou e aparentemente a última vez que isso aconteceu foi 20 anos atrás.


O incrível é que apesar disso eu nem senti aquele mês passar, aconteceram tantas coisas boas que eu nem consigo listar. Uma delas foi a parceria infalível do Elian, o autor das ideias de jerico que eu sempre compro. Às vezes dou risada quando as pessoas me perguntam sobre viver na Hungria e lembro dessas histórias. Poderia dizer muitas coisas, mas fico com essa: eu não sei como seria sem o Elian, mas se tem algo que tenho certeza, é que viver na Hungria com ele é no mínimo muito melhor. Obrigada pelo melhor boneco de neve do mundo, amigo! <3