14 de jan de 2013

[Eat Falafel] Cairo: que comece a aventura!

[English version below]

Nossos intercâmbios da AIESEC finalizados, a estadia no Egito chegando ao fim, decidimos seguir rumo à uma empreitada pelo Egito tendo local de saída a Alexandria, passando pelo Cairo, Assuão, Luxor, desertos e praia novamente. Pouca grana, mas muita disposição, nomeamos a viagem de “Eat Falafel Everyday Across Egypt” (que significa “Coma todo dia falável pelo Egito) pois falável é uma das coisas mais baratas que tem para comer por aqui. Com 1LE (R$0,30) você compra um sanduíche.
Era madrugada quando saímos de nosso apartamento em Camp Caesar, na Alexandria, rumo a estação de trem Sidi Gaber. De lá saem os chamados microbus – que pra gente é uma van – para o Cairo a noite toda, mas é preciso esperar encher o carro. Custa 25LE, não rola se você tem muita mala, mas chega lá.
A noite foi congelante e por fim chegamos  no Cairo. Após comermos um falável numa portinha, seguimos para Zamalek, onde o nosso host do Couchsurfing nos esperava. Chegamos em sua casa, descansamos e partimos para o Museu Egípcio.
No caminho, enquanto procurávamos um lugar para comer passamos pela famosa Tahrir Square. Essa praça é símbolo da Revolução de 25 de Janeiro que derrubou o então presidente e ditador Mubarak. Hoje, a praça está ocupada pelos que se opõem ao governo atual, do presidente Morsi. No final do ano passado foram feitos diversos protestos contra a nova constituição.
Tahrir Square é um símbolo de resistência e me chamou muito atenção que em frente à praça, junto às bandeiras do Egito, pude ver claramente uma bandeira do Brasil. Nada relacionado à política é claro. Provavelmente quem mora naquela casa é louco por futebol como todo egípcio.
Por fim chegamos ao museu, que tem um acervo incrível. Parece que as descobertas faraônicas não tem fim. É de verdade um mergulho profundo na história e vale muita a pena. Pagamos 60LE para entrar, e a Jess, com sua esperteza e carteira de estudante pagou meia. Andamos cerca de 3 horas dentro do museu, deu pra ver muita coisa. Mas se você for mais minucioso, vai te tomar o dia todo.
Voltamos para casa, de noite saímos para um barzinho na companhia do nosso host, mas tínhamos que descansar para o dia seguinte: as pirâmides!

Aconteceu em 01/2013

[English version]

[Eat Falafel] Cairo: let the adventure start!


Our AIESEC internships finalized, the stay in Egypt ending, we decided to travel across Egypt from Alexandria, through Cairo, Aswan, Luxor, deserts and beach again. Not so much money, but a lot of energy, we named the trip "Eat Falafel Everyday Across Egypt" because falafel is one of the cheapest things you have to eat here. With 1LE (£ 0.13) you buy a sandwich.
It was dawn when we left our apartment at Camp Caesar in Alexandria, towards Sidi Gaber train station. From there you can catch what they call a microbus - which for us is a van - to Cairo all night, but you have to wait to fill the car. It costs 25LE, it’s not good if you have much luggage, but gets there.
The night was freezing and finally we arrived in Cairo. After eating one falafel in a little door store, we went to Zamalek, where our Couchsurfing host was waiting for us. We arrived at his home, rested and went to the Egyptian Museum.
On the way, while looking for a place to eat, we passed the famous Tahrir Square. This square is a symbol of the revolution of 25 January that toppled the president and Dictator Mubarak. Today, the square is occupied by those who oppose the current government of President Morsi. At the end of last year were made several protests against the new constitution.
Tahrir Square is a symbol of strength and that caught my attention that in front of the square, next to the flags of Egypt, I could clearly see a flag of Brazil. Nothing related to politics course. Probably those who live in this house is crazy about football as any Egyptian.
Finally we arrived at the museum, which has an amazing collection. It seems that the pharaonic findings have no end. It's actually a deep dive into history and worth a lot. We pay 60LE to enter, and Jess, with her smartness and student ID paid half. We walked about 3 hours inside the museum, seeing a lot of things. But if you are more careful, it can take all day.
We went home and at night went to a bar in the company of our host, but had to rest for the next day: the pyramids!

Happened in 01/2013